Pródromos? E agora? É trabalho de parto ou falso alarme? Venha que vamos te contar tudo sobre pródromos (e como sobreviver a eles).

 

O “falso trabalho de parto” ou famoso “falso alarme” são os sinais iniciais do trabalho de parto, quando a gestante começa a sentir as contrações de Braxton Hicks, mais conhecidas como pródromos.

 

Tecnicamente, a expressão “falso trabalho de parto” é uma forma muito pobre de descrever a situação, uma vez que a comunidade científica reconhece que são contrações reais, embora menos intensas e frequentes que as contrações de trabalho de parto ativo.

 

O que são Pródromos?

Pródromos são as primeiras contrações do útero, a fase pré-trabalho de parto ou também conhecida como “fase latente”.

 

Nessa fase, as contrações são espaçadas e não-ritmadas, isto é, embora venham com alguma regularidade, não há um padrão consistente (como uma contração a cada 10 minutos ou de 5 em 5 minutos). Tanto pode vir uma num tempo X e outra dali a 30 minutos, como pode vir uma contração de pródromo num momento e outra só dali a 1h.

 

Pródromos são muito semelhantes às contrações pré-menstruais (pelo menos, as contrações mais leves).

 

Geralmente são apenas incômodas e bastante suportáveis, além de não serem contínuas, o que ajuda bastante. Geralmente, nessa fase a gestante ainda está muito bem disposta, consegue conversar, interagir e fazer outras coisas (inclusive comer e beber à vontade). O pensamento é “OK, isso é suportável, eu consigo!”.

 

Pródromos são a mesma coisa que as contrações de treinamento?

Não. No terceiro trimestre da gestação, alguns dias ou até semanas antes do trabalho de parto, a grávida pode reparar a sua barriga ficando mais dura de vez em quando. Acontece com alguma regularidade, mas não dói nem incomoda. Essas são as contrações de treinamento, quando o corpo começa a treinar para as contrações reais do trabalho de parto. Já os pródromos podem incomodar e doer ligeiramente (normalmente muito pouco) e são a fase anterior ao trabalho de parto.

 

Quando começam os pródromos?

Em geral, os pródromos tendem a aparecer depois das 37 semanas e são mais comuns em grávidas de primeira viagem, uma vez que o corpo ainda não conhece o trabalho de parto.

 

Contudo, o início dos pródromos pode ser influenciado por muitas variáveis: ansiedade, estresse, peso do bebê, idade gestacional, posição fetal, para citar apenas algumas. Por isso, algumas mulheres podem sentir pródromos vários dias antes do parto, enquanto outras sentirão apenas algumas horas antes – e algumas nem perceberão que já estão passando pelos pródromos.

 

Quanto tempo dura a fase dos pródromos?

O tempo pode variar de mulher para mulher, mas a média é que os pródromos durem de 24h a 72h até começar a fase do trabalho de parto ativo, com contrações ritmadas e progressivas.

 

Como identificar se são pródromos ou trabalho de parto ativo?

Pródromos são inconsistentes e suportáveis. Embora possam doer e incomodar, geralmente são menos intensos e, assim como começaram, podem parar subitamente.

 

A principal diferença da fase latente para o trabalho de parto ativo é que a fase ativa é progressiva, ou seja, as contrações começam e tendem a aumentar em ritmo e intensidade progressivamente.

 

Já os pródromos podem manter a intensidade relativamente constante por algum tempo e a frequência não possui um ritmo certo.

 

A melhor maneira de identificar é usando um contador de contrações (existem várias opções gratuitas disponíveis na internet e para celulares) para marcar o início e o fim. Geralmente, as contrações de parto duram, em média, 60 segundos.

 

Quando conseguir perceber um padrão ritmado (por exemplo, conseguiu marcar 5 contrações seguidas que aconteceram a cada 10 minutos cada uma), provavelmente já iniciou o trabalho de parto ativo.

 

O que fazer quando começar a sentir pródromos?

Aqui algumas dicas de sobrevivência aos pródromos:

 

Relaxe e aproveite

Os pródromos são suportáveis, embora chatos. Você ainda conseguirá passear, comer, beber e conversar enquanto estiver na fase latente. Aproveite para namorar, se tiver vontade, ou para estar com as pessoas que gosta.

 

Prepare que precisa para o parto

É comum mulheres se sentirem “especialmente ativas” na fase latente. Algumas relatam ter começado a limpar a casa espontaneamente, outras aproveitam para comprar os últimos preparativos para o parto (principalmente aquelas que optam por um parto domiciliar e querem ter um ambiente preparado), outras aproveitam para verificar a bolsa para a maternidade.

 

Aproveite para ir comer algo gostoso

Quer se “despedir” de alguma comida especial? Nos pródromos, ainda é perfeitamente possível ir a um restaurante ou sorveteria, por exemplo, e aproveitar a companhia de amigos e familiares para saborear algo que goste. Recomenda-se, entretanto, evitar comidas muito apimentadas ou gordurosas, para não interferir com o seu bem-estar durante o trabalho de parto ativo.

 

Piscinas no calor, banho quente no inverno

Se está numa estação quente, pode aproveitar para ir à piscina. A água normalmente ajuda a diminuir o incômodo e as dores dos pródromos. Se estiver frio, pode optar por um banho quente, ainda melhor se tiver banheira em casa.

 

Descanse sempre que puder

O trabalho de parto ativo requer muita energia, muito esforço físico e pode ser bastante desgastante (como dizem as doulas: é por isso que se chama trabalho!). Por isso, não desperdice nenhuma oportunidade de descansar e tirar aquela soneca para ir “juntando energias” para a próxima fase.

 

Gostou? Compartilhe esse artigo com uma amiga gestante que pode se beneficiar com a informação!

Sobre a autora

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Vila Materna é um portal de informações baseada em evidências científicas sobre gestação, maternidade e educação e com firme compromisso com a perspectiva feminista e os direitos das mulheres e crianças.

    Inspiração

    “A mulher viva e politizada afirma ser uma pessoa quer esteja ligada a uma família ou não, quer esteja ligada a um homem ou não, quer seja mãe ou não”.


    – Adrienne Rich, Of Woman Born: Motherhood as Experience and Institution

    Aline Rossi © 2020. Todos os direitos reservados.