Compartilhe

Já ouviu falar de “gravidez nas trompas” ou bebês que se desenvolvem nos ovários invés de no útero? Essa é a “gravidez ectópica” e, nesse guia, vamos explicar tudo sobre o tema. Veja mais!

gravidez normal e gravidez ectópica

O que é gravidez ectópica?

A gravidez ectópica é uma condição em que o embrião se desenvolve fora do útero. IO exemplo mais comum é quando o embrião se implanta na trompa de Falópio, um dos dois tubos que transportam o óvulo fertilizado do ovário até o útero. No entanto, a gravidez ectópica também pode ocorrer em outras partes do corpo, como no ovário, no colo do útero e até no intestino.

É importante que a gravidez ectópica seja tratada rapidamente para evitar complicações graves, como rompimento da trompa de Falópio ou sangramento interno. O tratamento pode incluir cirurgia ou medicamentos para dissolver o embrião.

Sintomas comuns

  • Dor abdominal ou pélvica: A dor abdominal pode ser ligeira ou aguda e pode ser sentida na parte superior direita ou esquerda da barriga. A dor pélvica pode ser sentida na região da virilha;

  • Dor no quadril ou nas costas: A dor no quadril ou nas costas pode ser sentida em uma ou ambas as pernas;

  • Tontura ou desmaio: A tontura ou o desmaio podem ser sintomas de uma gravidez ectópica, especialmente se estiverem acompanhados de dor abdominal ou pélvica;

  • Náuseas ou vômitos: Náuseas ou vômitos podem ser sintomas de uma gravidez ectópica, mas também podem ser sintomas comuns da gravidez, por isso não devem ser analisados isoladamente;

  • Ausência de sinais de gravidez: Algumas mulheres com gravidez ectópica não apresentam sintomas de gravidez, como ausência de menstruação ou aumento do tamanho dos seios.

Diagnóstico

Caso tenha identificado algum dos sintomas de gravidez ectópica listados acima, vale a pena buscar ajuda profissional para fazer exames diagnósticos. O diagnóstico de gravidez ectópica geralmente começa com uma avaliação dos sintomas da paciente e um exame físico. Se o médico suspeitar de uma gravidez ectópica, ele ou ela pode solicitar exames de sangue e de imagem para confirmar a suspeita.

Exames de sangue:

  • Teste de gravidez de beta-hCG: Mede os níveis de hormônio da gravidez no sangue. Se os níveis de beta-hCG estiverem elevados, isso pode indicar uma gravidez ectópica;
  • Exame de progesterona: Mede os níveis de hormônio da gravidez no sangue. Baixos níveis de progesterona podem indicar uma gravidez ectópica.

 

Exames de imagem:

  • Ultrassonografia transvaginal ou abdominal: Permite ao médico visualizar o útero e as trompas de Falópio e verificar se há um embrião em qualquer uma dessas áreas;
  • Ressonância magnética: Pode ser usada para diagnosticar a gravidez ectópica.

Quais as causas da gravidez ectópica?

As causas exatas da gravidez ectópica são desconhecidas, mas existem alguns fatores de risco que podem aumentar a chance de ter uma gravidez ectópica. Alguns desses fatores de risco incluem:

  1. Infecções: As infecções do trato reprodutivo, como a clamídia e a gonorreia, podem danificar as trompas de Falópio e aumentar o risco de gravidez ectópica;

  2. Cirurgia abdominal ou pélvica anterior: Algumas cirurgias, como a histerectomia (remoção do útero) ou a cirurgia para correção de doenças ginecológicas, podem danificar as trompas de Falópio e aumentar o risco de gravidez ectópica;

  3. Fumar: O tabagismo aumenta o risco de gravidez ectópica;

  4. Idade: As mulheres com mais de 35 anos têm um risco ligeiramente maior de ter uma gravidez ectópica;

  5. Histórico de gravidez ectópica: As mulheres que já tiveram uma gravidez ectópica têm um risco maior de ter uma novamente;

  6. Gravidez após o uso de dispositivos intra-uterinos (DIUs): As mulheres que engravidam logo após o uso de DIUs têm um risco aumentado de gravidez ectópica;

  7. Infertilidade: As mulheres que têm dificuldade para engravidar têm um risco ligeiramente maior de ter uma gravidez ectópica;


Em alguns casos, a causa da gravidez ectópica não pode ser determinada.

Tratamento

O tratamento da gravidez ectópica geralmente inclui cirurgia ou medicamentos para dissolver o embrião. Se a gravidez ectópica for detectada no início, pode ser possível tratá-la com medicamentos que dissolvem o embrião. No entanto, se a gravidez ectópica já tiver avançado, a cirurgia pode ser necessária para remover o embrião e, se necessário, reparar a trompa de Falópio danificada.

 

Cirurgia

Se a gravidez ectópica for detectada tarde ou se houver sinais de danos às trompas de Falópio, a cirurgia pode ser necessária. A cirurgia pode ser realizada por laparoscopia ou laparotomia.

 

  • Laparoscopia: o médico faz pequenas incisões na barriga e insere instrumentos através delas para remover o embrião e, se necessário, reparar a trompa de Falópio;

  • Laparotomia: o médico faz uma incisão maior na barriga para realizar a cirurgia.

 

Medicamentos

Se a gravidez ectópica for detectada no início e não houver sinais de danos às trompas de Falópio, pode ser possível tratá-la com medicamentos que dissolvem o embrião. Esses medicamentos são administrados por via intravenosa e, em geral, são eficazes em dissolver o embrião. No entanto, os medicamentos podem levar alguns dias para fazer efeito e é importante que a paciente fique sob observação durante esse período.

É possível reverter uma gravidez ectópica?

Na maioria dos casos, a gravidez ectópica não pode ser revertida. Isto porque o embrião foi implantado fora do útero, onde não tem as condições necessárias para se desenvolver e não há meio de transferi-lo para o útero.

Quando o embrião se implanta nas trompas ou no ovário, por exemplo, ele não tem acesso à placenta, que é necessária para fornecer nutrientes e oxigênio para o feto durante a gravidez. Por isso, o tratamento da gravidez ectópica geralmente inclui cirurgia ou medicamentos para dissolver ou remover o embrião.

Como fica a barriga de gravidez ectópica?

A barriga de uma mulher com gravidez ectópica pode não apresentar alterações visíveis. Algumas mulheres com gravidez ectópica não apresentam sintomas de gravidez, como ausência de menstruação ou aumento do tamanho dos seios. No entanto, se a gravidez ectópica estiver avançada e houver um aumento do tamanho do embrião, pode haver um ligeiro aumento do tamanho da barriga.

Que cuidados devo ter depois de tratar uma gravidez ectópica?

Se você teve uma gravidez ectópica e passou por cirurgia ou tratamento com medicamentos, é importante seguir as instruções do seu médico quanto aos cuidados pós-tratamento. Alguns cuidados comuns incluem:

  1. Descansar: É importante descansar o suficiente após o tratamento da gravidez ectópica para permitir que o corpo se recupere;

  2. Evitar atividades físicas intensas: É importante evitar atividades físicas intensas por pelo menos alguns dias após o tratamento da gravidez ectópica;

  3. Usar medicamentos conforme indicado: Se o seu médico lhe receitar medicamentos para ajudar a controlar a dor ou para prevenir infecção, é importante tomar esses medicamentos conforme indicado;

  4. Evitar relações sexuais: É importante evitar relações sexuais até que o seu médico indique que é seguro retomá-las;

É possível engravidar depois de uma gravidez ectópica?

Sim, é possível engravidar depois de uma gravidez ectópica. No entanto, se a trompa de Falópio for danificada durante a gravidez ectópica, pode ser mais difícil engravidar naturalmente, pois isso afeta a fertilidade. Algumas mulheres podem, inclusive, precisar de tratamentos de fertilidade para engravidar depois de uma gravidez ectópica.

Sobre a autora

Compartilhe

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Vila Materna é um portal de informações baseada em evidências científicas sobre gestação, maternidade e educação e com firme compromisso com a perspectiva feminista e os direitos das mulheres e crianças.

    Inspiração

    “A mulher viva e politizada afirma ser uma pessoa quer esteja ligada a uma família ou não, quer esteja ligada a um homem ou não, quer seja mãe ou não”.


    – Adrienne Rich, Of Woman Born: Motherhood as Experience and Institution

    Aline Rossi © 2020. Todos os direitos reservados.