Muitas culturas têm uma relação quase espiritual e de celebração da placenta. Conheça algumas dessas relações curiosas nesse artigo!

Comer, enterrar, fazer carimbo de placenta, queimar, jogar para os peixes… Ou só jogar fora. Essas são algumas das coisas que as mulheres da cultura “ocidental” fazem com suas placentas depois do nascimento do bebê. Aqui estão alguns outros “rituais” feitos com as placentas e cordões umbilicais em outras culturas:

plantar placenta
Usar a placenta para plantar uma árvore que acompanhará o crescimento do bebê também é uma opção comum entre as mães modernas.
  • Uma tribo no Arizona seca o cordão e reveste de pérolas para que a criança possa coçar ou morder durante a fase da dentição.
  • Aborígenes faziam colares com o cordão umbilical para que a criança vestisse, representando crescimento e também como uma forma de proteção contra doenças.
  • No Quênia, as parteiras Masai mastigam o cordão para separá-lo da placenta. A parteira anuncia: “você agora é responsável pela sua vida como eu sou responsável pela minha”.
  • No Iêmen, a placenta é colocada sobre o telhado da família para os pássaros comerem na esperança de que isso irá garantir o amor entre os pais.
  • Na Malásia, a placenta é vista como um irmão mais velho da criança e que ambos se reencontrarão após a morte. A parteira lava cuidadosamente a placenta, o cordão e as membranas e os envolve em um tecido branco para que sejam enterrados.
  • No Nepal, a placenta recebe o nome de “bucha-co-satthi” – que significa “amiga do bebê”.
  • O povo Tanala, de Madagascar, observam em estrito silêncio durante todo o parto e nascimento e quando a placenta é entregue. Quando a placenta sai, todos os presentes batem palmas e gritam “Vita! Vita!”, que significa “acabou”.
  • No Sudão, a placenta é considerada o “segundo espírito” da criança e pode ser enterrada junto de algum lugar que represente as expectativas dos pais em relação à criança (por exemplo, perto de um hospital para que a criança se torne médica).

E aí, você fez ou planeja fazer alguma coisa especial com a sua placenta após o parto? Conta nos comentários!

Sobre a autora

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Vila Materna é um portal de informações baseada em evidências científicas sobre gestação, maternidade e educação e com firme compromisso com a perspectiva feminista e os direitos das mulheres e crianças.

    Inspiração

    “A mulher viva e politizada afirma ser uma pessoa quer esteja ligada a uma família ou não, quer esteja ligada a um homem ou não, quer seja mãe ou não”.


    – Adrienne Rich, Of Woman Born: Motherhood as Experience and Institution

    Aline Rossi © 2020. Todos os direitos reservados.