Quer saber quanto cobra ou quanto ganha uma doula em Portugal? Veja neste artigo!

 

doula de parto massagem

Ter o acompanhamento de uma doula de parto ainda é visto em Portugal como um tipo de luxo para poucos ou uma excentricidade. Não só porque ainda há pouco conhecimento sobre quem é e o que faz a doula, mas também porque o Sistema Nacional de Saúde tem uma cobertura relativamente boa e ampla de preparação para o parto, aulas às quais as gestantes podem recorrer e, por isso, pensem talvez que uma doula seja um gasto que não se justifica.

 

Por isso, se chegou a esse artigo, das duas uma: ou está gestante e considera contratar uma doula para o seu parto (e não sabe bem se vale a pena) ou considera ser doula e quer saber se é possível viver com o que ganha uma doula. Afinal, quanto ganha uma doula em Portugal?

 

 

Doular em Portugal

As doulas foram resgatadas da história e voltaram como assistentes e aliadas das mulheres no parto nas últimas décadas, muito graças ao ativismo das mulheres pela humanização do parto. Em Portugal, o número de doulas ainda é relativamente baixo comparado a outros países (especialmente com o norte da Europa), mas é verdade que a cada dia formam-se mais e mais doulas de parto que atendem em diversas regiões do país.

 

Como doula brasileira emigrada em Portugal há quase uma década, tenho a perceção de que essa dificuldade está relacionada, em grande parte, ao forte patriarcalismo e protecionismo da classe médica, que parece temer a presença das doulas nas salas de parto.

 

Nenhuma surpresa. De facto, passou-se exatamente o mesmo em vários outros países quando as doulas de parto começaram a aparecer aqui e ali. No Brasil, por exemplo, existem várias leis que asseguram a presença da doula na sala de parto sem que a gestante tenha de optar pela doula ou pelo parceiro, como infelizmente ainda ocorre em Portugal.

 

Contudo, no Brasil não foi sempre assim e, inicialmente (ainda hoje é comum, na verdade), os médicos e a equipa hospitalar tentava obstruir a presença da doula, pois esta representava uma ameaça. Não ao que eles faziam, é claro, pois o papel da doula no parto nada tem a ver com o papel de uma enfermeira ou de um obstetra. A doula era uma ameaça à má assistência, às más práticas e à violência obstétrica.

 

A presença da doula na sala de parto quebrava um paradigma: a doula era e não era, simultaneamente, parte da equipa de parto. Assim, embora estivesse envolvida, a doula era e é vista como um elemento externo fora do controlo do hospital e, por isso, uma observadora perigosa que podia denunciar a qualquer momento os deslizes dos demais – por mais “corriqueiros” que fossem. 

 

Afinal, a violência obstétrica não é menos violência só porque foi transformada em rotina. Muito pelo contrário.

 

Esse cenário tem mudado lentamente ao longo dos anos. O facto de termos mais doulas de parto em Portugal hoje é um indicativo disso. E tudo graças à luta de mulheres, doulas e parteiras, individualmente e coletivamente, em especial pelo ativismo incansável da Associação Doulas de Portugal, a Rede Portuguesa de Doulas, a Associação Portuguesa pelos Direitos das Mulheres na Gravidez e Parto e a Plataforma Portuguesa Pelos Direitos das Mulheres.

Mas afinal, sem mais delongas…

 

 

Quando ganha uma doula em Portugal?

O acompanhamento de uma doula de parto em Portugal custa, em média, entre 200 a 600 euros.

 

O valor pode variar de acordo com vários fatores como: local, quantidade de consultas incluídas no atendimento, serviços extras (como chá de bênçãos, pintura de barriga, carimbo de placenta, etc).

 

Se está gestante e pensa contratar uma doula, mas o valor parece um bocado “injustificável”, vale a pena levar em consideração:

 

  • O acompanhamento da doula é recomendado pela OMS e existem vários benefícios associados, desde um trabalho de parto mais positivo até a redução na utilização de medicamentos e manobras;
  • A doula é a única profissional na sala de parto que está exclusivamente dedicada à assistir a gestante, focada unicamente em que a mulher tenha a experiência mais positiva possível no parto;
  • Nem o parceiro, nem a mãe, nem uma amiga, nem a fisioterapeuta substituem ou “cumprem” o papel de doula. A doula é uma profissional treinada para atendê-la – e essa é uma formação, um preparo e uma perspectiva que acompanhantes não têm.
  • Doulas geralmente parcelam o pagamento, não é um valor pago a pronto e, via de regra, são muito abertas, na medida do possível, a adequar as modalidades de pagamento às necessidades da doulanda.

 

Para mulheres que estão a pensar seguir a carreira de Doula de Parto:

  • Lembrem-se que os valores acima mencionados raramente são pagos a pronto. Ou seja, embora a doula tenha completa autonomia para estipular os métodos de pagamento que aceita, é preciso organizar bem a sua agenda para ter alguma sustentabilidade como profissional autónoma;

  • Existe um limite relativamente restrito de doulandas que uma Doula de Parto consegue atender por mês, dado que as Datas Previstas de Parto são apenas estimativas e os trabalhos de parto podem coincidir. Por isso, para não arriscar a renda, é importante diversificar os serviços oferecidos e, se possível, trabalhar com uma doula backup ou “sombra” para poder substituí-la em casos incontornáveis;

  • Quando orçar o valor do seu atendimento, não esqueça de considerar os gastos com transporte e locomoção, além das suas “ferramentas” de trabalho.
 

Se fizer o curso de doula no Brasil, posso doular em Portugal?

SIM. Até porque, como explicado anteriormente, ainda não existe qualquer espécie de regulamentação ou legislação sobre a ocupação de doula em Portugal. Isso significa que não há restrições quanto à formação da doula. Nada como: o curso e a certificação precisa ter acontecido/ter sido emitido em Portugal, é preciso ter X horas de formação, é preciso abrir pessoa jurídica ou nada do tipo.

O limite é, de fato, a sua atuação e conhecimento para auxiliar a gestante. É completamente possível ser doula em Portugal tendo feito a formação de doula no Brasil. Por isso, caso pretenda mudar para Portugal, recomendo já começar a formação no Brasil para vir mais ou menos preparada.

Entretanto, também recomendo buscar se associar e informar junto das associações e redes mencionadas anteriormente, como a Rede Portuguesa de Doulas, para conhecer as especificidades das leis daqui e como funciona o sistema de saúde pública e privada em Portugal.

 

Gostou deste artigo? Então partilhe com outra mulher que possa achá-lo interessante!

Curso Online de Doula

Curso 100% online, em vídeo, com certificado de 150h. Seja uma Doula de Parto certificada!

Sobre a autora

  • Achei o artigo muito relevante, estou pensando em fazer o curso mas gostaria de saber se é aceito em Portugal ou na Europa

    1. Oi Sandra! Em Portugal sei que é aceito, pois ainda não há uma regulamentação da profissão de Doula, então o curso é mais para te preparar e capacitar para atuar do que para validar algum certificado. Na Europa toda é difícil dizer, porque cada país pode ter uma legislação diferente. Por exemplo, no Reino Unido e na Holanda, as doulas já são regulamentadas há muito tempo. Nesses países é possível que tenha de validar o certificado nas entidades competentes.

  • Bom dia,
    Sou portuguesa e gostaria de tirar o curso. Sabe dizer onde o posso fazer? Quem contactar e saber que é confiável? Obrigada

    1. Olá Ana, tudo bem? Pode ver aqui a página do curso das próprias formadoras. Na página, tem o currículo delas, mas também uma opção de falar com as formadoras pelo WhatsApp, como também poderá fazer download de um dos eBooks utilizados no curso. As formadoras também estão no Instagram e no LinkedIn, caso queira averiguar o perfil. Se tiver mais dúvidas, diz! Estou à disposição.
      Obrigada

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vila Materna é um portal de informações baseada em evidências científicas sobre gestação, maternidade e educação e com firme compromisso com a perspectiva feminista e os direitos das mulheres e crianças.

Inspiração

“A mulher viva e politizada afirma ser uma pessoa quer esteja ligada a uma família ou não, quer esteja ligada a um homem ou não, quer seja mãe ou não”.


– Adrienne Rich, Of Woman Born: Motherhood as Experience and Institution

Aline Rossi © 2020. Todos os direitos reservados.