Está grávida, ouviu falar sobre as Doulas e não sabe por onde começar? Aqui as respostas para as dúvidas mais comuns das gestantes sobre as Doulas de Parto.

1. O que é uma Doula?

A Doula de Parto é uma profissional que ajuda a mulher gestante (em primeiro lugar) e a família durante a gravidez, o parto e o período pós-parto. Ela é uma profissional treinada especificamente para dar apoio físico, emocional e informativo para que a família, em especial e principalmente a mulher, possa viver o parto como uma experiência positiva.

2. Quais são os benefícios de ter uma doula no parto?

São muitos os estudos que têm continuamente comprovado os efeitos positivos de ter o acompanhamento de uma doula na gestação e, em especial, durante o trabalho de parto e parto. Os pesquisadores descobriram que, em geral, mulheres que têm apoio contínuo durante o parto experimentam:

  • Redução de 25% no risco de cesariana (se o apoio for de uma doula, redução de até 38%);
  • Aumento de 8% nas chances de conseguir um parto vaginal espontâneo (até 15% a mais se for um doula);
  • Redução de até 10% de uso de qualquer medicamento para alívio da dor;
  • Trabalho de parto reduzido em até 41 minutos em média;
  • Redução de 38% do risco de ter baixo Apgar nos primeiro cinco minutos de vida;
  • Melhora de 31% na satisfação com a experiência de parto;

Os dados são do estudo Evidências sobre Doula.

3. Que serviços são prestados antes do parto? E após?

Cada doula pode fornecer um pacote de serviços diferente e tudo isso é debatido na entrevista, antes de contratar a doula. O mais comum é que as doulas ofereçam a primeira entrevista, duas a três visitas pré-natais, acompanhamento do trabalho de parto e parto e uma visita pós-parto. Você pode ver mais no nosso Guia Completo sobre Doulas.

4. Quando é a hora certa de contratar a doula de parto?

O melhor momento para contratar uma doula é por volta da 13ª semana de gestação. Você pode começar a pesquisar, fazer um levantamento das profissionais com quem sentir mais segurança e marcar entrevistas para conhecê-las pessoalmente quando quiser, mas boa parte das gestantes e das doulas só acertam contratos no segundo trimestre da gestação.

5. Quanto cobra uma Doula de Parto?

Os valores praticados variam não só de Doula para Doula, mas também de região para região e, principalmente, do pacote de serviços. Ou seja, o que está incluso, quantas consultas de acompanhamento a doula irá fazer, se inclui serviços adicionais (como chá de bençãos, despedida da barriga, pintura de barriga, carimbo de placenta, etc.). Enfim, deve ser visto caso a caso. Para saber estimativas de valores, leia nosso artigo Quanto Ganha uma Doula?

6. Qual é a diferença entre uma doula e uma parteira?

O fator distintivo entre doulas e parteiras é que as parteiras são formalmente treinadas na área médica. A maioria das parteiras hoje são enfermeiras obstetrizes. Alguns países até oferecem cursos específicos de parteiras. Já as Doulas não são profissionais da área médica e não necessariamente são enfermeiras.

Embora haja doulas que sejam também fisioterapeutas, enfermeiras ou até instrutoras de yoga, esse não é um pré-requisito para ser doula. Doulas recebem uma formação técnica específica para oferecer apoio físico, emocional e informativo, mas não oferecem nenhum apoio médico.

Além disso, parteiras podem realizar alguns procedimentos médicos (como toque e sutura). Doulas não.

7. Sou gestante de risco, talvez tenha uma cesárea. Vale a pena contratar uma doula?

SIM, ter uma equipe de apoio ao parto é o que uma mulher em trabalho de parto precisa, independentemente de como o parto é planejado ou como o parto se desenrola. Ter alguém em quem confiam e sabem que podem fazer suas perguntas e sentir segurança é o que algumas famílias em fase de parto precisam.

A maioria das doulas não nega atendimento a qualquer gestante. O que algumas doulas podem recusar é atender partos cesarianos eletivos. Isto é, cesária agendada sem indicação médica. Se este não é o seu caso, pode ser muito benéfico ter o acompanhamento de uma doula durante a gestação, ainda ou principalmente se for uma gestação de risco – que geralmente causa muita insegurança e medo às gestantes.

8. Como escolher a Doula certa para me acompanhar?

Não há como saber qual a doula certa para você sem falar com as doulas primeiro. Portanto, o primeiro passo é entrevistar quantas doulas forem necessárias até achar “aquela uma”. Até sentir que encontrou a doula certa. Durante a entrevista, certifique-se de que a doula responda a todas as perguntas que você possa ter. Pergunte se ela tem alguma certificação, que experiência tem e veja, especialmente, se as suas personalidades combinam.

Ela é alguém em quem você sente que pode confiar durante este tempo íntimo? Você se sente confortável e à vontade perto dela, como ela se expressa e como se comunicam? Essas são apenas alguns exemplos do que procurar quando estiver procurando a doula certa.

9. Os hospitais e casas de partos estão permitindo que a doula entre na sala de parto durante a pandemia?

Alguns dos hospitais e centros de partos locais estão permitindo que os doulas assistam aos partos. Em alguns hospitais, a doula tem que ter um registro na instituição e o mais indicado é que você verifique na sua maternidade para saber se as políticas foram alteradas nesse sentido. Devido às constantes mudanças da COVID-19, os hospitais e os centros de partos estão tendo que atualizar suas políticas com regularidade e isso pode variar de região para região.

10. O plano de saúde cobre ou reembolsa os serviços da doula?

Até hoje, ainda não vi nenhum caso em que o plano tenha reembolsado os serviços da doula. Contudo, cada seguradora é diferente e tem suas próprias apólices, por isso não perde nada em entrar em contato com o seu plano e e verificar se é o caso. Como a Doula é uma profissional independente e as legislações brasileiras ainda são muito flutuantes sobre o assunto (muitas regiões já possuem legislações específicas, outras ainda não), vale a pena verificar antes, se isso for um ponto importante para você.


Sobre a autora

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Vila Materna é um portal de informações baseada em evidências científicas sobre gestação, maternidade e educação e com firme compromisso com a perspectiva feminista e os direitos das mulheres e crianças.

    Inspiração

    “A mulher viva e politizada afirma ser uma pessoa quer esteja ligada a uma família ou não, quer esteja ligada a um homem ou não, quer seja mãe ou não”.


    – Adrienne Rich, Of Woman Born: Motherhood as Experience and Institution

    Aline Rossi © 2020. Todos os direitos reservados.